Home » Ilhas Maurício (Mauritius): A Pérola do Oceano Índico
Dicas de Viagem Relatos do Viajante

Ilhas Maurício (Mauritius): A Pérola do Oceano Índico

Escrito por: Anna Claudia Rodrigues Santos – Site referência: Blog Mala de Viagem

Praias paradisíacas, água azul turquesa, mar raso e calmo, areia branquinha, ilha rodeada por barreira de corais, montanhas, cachoeiras, vulcões adormecidos e resorts all inclusive, cinco estrelas, de frente para o mar. Gostou? Pois então Ilhas Maurício, ou simplesmente Mauritius, acaba de ganhar um lugar de destaque de sua lista de “1.000 lugares para conhecer antes de morrer”.

Mauritius (ou Ilhas Maurício, como o país é conhecido no Brasil), é um país insular com 65 km de extensão, localizado entre o continente africano e asiático, situado há cerca de 2.000 km da costa africana e 870 km da ilha de Madagascar.

Praia de Le Morne Praia de Le Morne – sudoeste de Mauritius

Algumas informações sobre Mauritius:

  • População: 1.243.000.
  • Capital: Port Louis.
  • Área: 2.040 km2.
  • Línguas: inglês, francês, creole, hindu, urdu, hakka, bhjpuri.
  • Religiões: hindu, cristianismo, islamismo, budismo e protestante.
  • Moeda: rúpia (Mauritian Rupee).
  • Governo: República Parlmentarista.

Se você já ouviu falar, gostou do que ouviu (ou viu), de paraísos como Maldivas e Seychelles, provavelmente também se interessará por Mauritius, com a vantagem que este é “low cost” quando comparado aos primeiros.

As Ilhas Maurício é, na verdade, um arquipélago composto pela Ilha Maurícia, Cargados Carajos, Agalega e Rodrigues*.

*Rodrigues está localizada a 560 km de distância de Maurício. Trata-se de ilha de origem vulcânica ainda pouco explorada. Existem voos de Maurício para Rodrigues com duração de aproximadamente 1h30min.

Sua história de colonização é muito interessante: a ilha foi descoberta em 1505 pelos portugueses e colonizada em 1598 pelos holandeses. Depois vieram os franceses e britânicos. A independência só se deu e 1968.

A população é formada principalmente por africanos, indianos, chineses, muçulmanos e europeus. Os idiomas oficiais são o inglês e francês, mas as crianças também aprendem sua língua de origem na escola.

Curioso como um lugar até pouco tempo atrás por mim desconhecido (não se preocupe se até aqui você nunca tinha ouvido falar em Mauritius, porque eu também descobri há pouco), tornou-se tão em especial em apenas cinco dias.

A ilha de povo amigável e gentil, natureza exuberante, mar azul e areia branca, deixa saudades!

Para amenizar esse sentimento, vou dividir com você todas nossas experiências na ilha e te motivar a programar sua viagem pra lá também, pois eu nunca lamentei tanto a despedida de um lugar como aconteceu em Mauritius.

Pôr do Sol em Le Morne Por do sol em Le Morne – sudoeste de Mauritius

Quais documentos são necessários para ingressar em Mauritius?

Os mesmos documentos necessários para ingressar na África do Sul: passaporte válido (com data de validade não inferior a 6 meses da data de retorno de Mauritius), com página em branco para carimbo, além da passagem de retorno e a CIVP – Carteira Internacional de Vacinação e Profilaxia contra febre amarela.

Como é o clima na ilha?

Mauritius tem duas estações climáticas bem definidas: verão e inverno.

Fomos em meados de setembro e pegamos o final do inverno.

Embora inverno, o clima não varia muito durante o ano e a temperatura fica entre 20 a 28ºC. No verão a temperatura fica próxima aos 35ºC.

O que atrapalhou um pouco foi a chuva (embora não seja comum chover durante o inverno por lá).

Durante o período que estivemos lá, pegamos um pouco de chuva e tempo nublado, que se alternou que dias lindos e ensolarados (principalmente o dia de vir embora…).

Quanto tempo ficar?

Pelo menos 5 dias. Menos do que isso você fará uma viagem muito longa e curtirá pouco do que o lugar tem a oferecer.

Rodrigo e eu ficamos 5 dias (4 dias e meio na verdade), mas eu acho que 7 seria perfeito, pois daria para ter feito mais atividades e ainda aproveitado a infraestrutura dos hotéis.

Como chegamos?

Voamos de São Paulo para Joanesburgo (África do Sul) com a LATAM (compramos as passagens pela LATAM, mas o voo foi operado pela South African), num voo com duração de 8h.

Chegamos a Joanesburgo pela manhã e aproximadamente 5h depois, pegamos o voo para as Ilhas Maurício com a Air Mauritius. O voo tem duração de 3h30min e uma mala despachada por passageiro é permitida (o excesso é cobrado).

O fuso em Joanesburgo é 6h a mais que o fuso de Brasília. Em Mauritius são 8h a mais.

A volta foi igual, mas embora as passagens também tenham sido compradas no site da Air Mauritius, quem operou o voo foi a South African.

Onde trocar dinheiro?

A moeda em Mauritius é a rúpia. Um real vale aproximadamente 10 rúpias, o que torna a conta/conversão bem simples.

Trocamos dinheiro logo que chegamos, ainda no aeroporto, e recomendo que você faça o mesmo, pois não é possível se ter certeza que terá alguma casa de câmbio próxima ao seu hotel (do nosso não tinha).

Utilizamos cartão de crédito para pagar algumas coisas dentro dos hotéis, nosso passeio de tour pelo sul da ilha e compras que fizemos em algumas lojas, mas utilizamos rúpias para o taxi* de ida (aeroporto – hotel) e almoço no dia do passeio/tour pelo sul da ilha.

*O taxi também poderia ser pago em dólares. Na verdade quase não usamos rúpia, pois somos mais adeptos ao uso do cartão. Porém, por segurança, troque dinheiro ainda no aeroporto.

Como se locomover em Mauritius?

Mauritius é uma ilha pequena se considerarmos que se trata de um país, porém, é grande se você precisar se locomover muito de um lado a outro.

Não há Uber, então para nós, o melhor foi utilizar taxi.

Há ainda a opção de alugar um carro. O valor do aluguel de carro não é atrativo (assim como dos taxis), mas talvez seja uma opção interessante para quem viaja em 3 ou 4 pessoas e pode dividir o valor do aluguel, ou no caso de quem fica mais dias na ilha e troca pelo menos 3 vezes de hotel.

Optamos por utilizar o taxi e os preços são tabelados. Achamos caro, tentamos negociar o preço, mas não adiantou…

Do aeroporto até o nosso primeiro hotel (RIU Creole, em Le Morne) custou 2.200,00 rúpias, o que dá R$ 220,00. Duração da viagem: 1h.

A troca de hotel (RIU Creole, em Le Morne para o The Residence, em Belle Mare), custou 2.000,00 rúpias, o que dá R$ 200,00. Esse taxi/transfer foi contratado com a empresa de turismo que fizemos o passeio pelo sul da ilha e foi um pouco mais barato do que contratar um taxi direto. Duração da viagem: 1h30min.

Do segundo hotel (The Residence, em Belle Mare) até o aeroporto, custou mais 2.200,00 rúpias. Esse taxi foi solicitado no serviço de concierge do próprio hotel. Duração da viagem: 1h.

Obs. Se optar por alugar carro, lembre-se de que um GPS será muito importante.

Onde se hospedar?

Mauritius tem uma infinidade de hotéis. Para encontrar o ideal para você, deve ser levado em consideração fatores como: localização, qualidade e serviços oferecidos.

Localização:

Le Morne: praia bonita; mar turquesa; por do sol maravilhoso; vista do Monte Le Morne (rochedo de 600 metros de altura e Patrimônio da Humanidade pela Unesco); parte da ilha que mais venta (ideal para a prática de esportes náuticos.

Inclusive, estava acontecendo um campeonato mundial de Kitesurf nos dias que estávamos lá).

Kitesurf em Le MorneCampeonato mundial de Kitesurf em Le Morne – Mauritius

Se você tiver interesse em fazer um tour pelo sul da ilha (onde estão atrativos naturais como vulcões, cachoeiras, mirantes para montanhas, além do tempo hindu), Le Morne fica perto, então não será tanto tempo de deslocamento.

O Monte Le Morne é a marca registrada dessa parte da ilha e guarda uma história interessante (porém trágica): na época da escravatura, os escravos se refugiavam no Monte Le Morne para fugir da escravidão. Lá viviam centenas deles. Com o fim da escravatura, as pessoas subiram até o monte para dar o recado aos que lá estavam. Sem acreditar na notícia abolicionista, e com medo do que estava por vir, muitos se jogaram do alto do Monte Le Morne.

Belle Mare: o nome não é à toa, as mais belas praias de Mauritius estão em Belle Mare. O mar é ainda mais turquesa e a areia mais branca e fina. Somado a isso, as águas calmas da região são convidativas para a prática de atividades como Stand up paddle, pedalinho, caiaque, snorkeling, mergulho…

Snorkeling em Belle MareSnorkeling em Belle Mare – Mauritius

Meu palpite: se for escolher apenas uma região da ilha para se hospedar, escolha Belle Mare que não irá se arrepender. Essa região também conta com um nascer do sol espetacular.

Amanhecer em Belle MareO nascer do sol em Belle Mare – Mauritius

Eu não ficaria no oeste da ilha, pois não há praias tão lindas (de água azul turquesa) como no leste (Belle Mare) e sudoeste (Le Morne). Em Trou d´eau Douce você também encontrará um mar bem azul.

Qualidade dos hotéis e serviços oferecidos:

Existem opções de hotéis 3, 4 ou 5 estrelas espalhados pela ilha.

Experimentamos um hotel 3 estrelas (RIU Creole, em Le Morne) com um bom custo benefício. O hotel é all inclusive, tem 3 restaurantes, piscina aquecida (com água morna), spa, jacuzzi, academia, aulas de ginástica, atividades recreativas, atividades aquáticas incluídas. Nosso quarto era de frente e a poucos metros do mar.

Depois nos mudamos para um hotel 5 estrelas (The Residence, em Belle), marcado pelo luxo, conforto e atendimento exclusivo. Nossas diárias incluíam café da manhã e jantar.

Alguns serviços oferecidos pelo hotel: 2 restaurantes, piscina, jacuzzi, serviço de praia, atividades aquáticas, spa, academia, aulas de ginástica, mordomo… Nosso quarto tinha vista para o jardim e parcial para o mar.

Onde comer?

Acredito que comer nos hotéis seja a melhor opção. Se o seu for all inclusive, não precisará se preocupar com alimentação.

Se for meia pensão, poderá tomar café da manhã reforçado (adoramos isso), um lanche durante a tarde (embora também haja restaurante para almoço – pago à parte) e depois jantar. O sistema de meia-pensão acaba sendo bem interessante também. Na verdade eu até prefiro, pois a qualidade da comida é muito superior.

Porém, caso opte por fazer passeios pela ilha, verifique as opções de restaurantes que coloquei abaixo.

Experimentamos um restaurante típico no dia do passeio pelo sul da ilha. A comida é bem temperada, com destaque para o curry e a pimenta, comum na maioria dos pratos.

O que fazer?

Você pode ir para Mauritius e “não fazer nada” (leia-se: ficar tranquilo(a) na praia ou na piscina, curtindo suas férias e descansando com todo conforto e comodidade que um resort tem a lhe oferecer), ou fazer diversos passeios, pois há muitas opções!

Optamos pela combinação dos dois: um pouco de descanso e um dia de passeio para não voltar dizendo que só conhecemos os hotéis.

Eu adoraria ter ficado pelo menos uma semana em Mauritius para descansar um pouco mais e conhecer mais a ilha.

Aqui vão as opções de atrativos que a ilha lhe oferece:

Conhecer as belas praias: La Cuvette, em Grand Baie, Blue Bay e Le Morne (ideias para a prática de esportes náuticos), Belle Mare (extensa faixa de areia branca e fina, coqueiros e mar azul turquesa), Flic-en-Flac e Pereybère (praias públicas), além de Tamarin e Tombeau.

Praia Belle MareA lindíssima praia de Belle Mare

Fazer mergulho: Mauritius é rodeada por uma barreira de coral, o que torna o lugar ideal para a prática do mergulho. Além disso, a visibilidade da água é excelente.

Nadar com golfinhos: em Mauritius é possível fazer um passeio que te leva até determinado ponto do mar onde é possível nadar com os golfinhos (que estão livres no mar).

Île aux Cerfs: passeio muito famoso na ilha. A Île aux Cerfs possui linda faixa de areia e uma praia perfeita, que parece uma piscina natural… Dizem ser a mais linda de todas. O acesso é feito através de barco e fica em Belle Mare.

Baie aux Tortues: Baía das Tartarugas, onde estão as ruínas de Balaclava.

Tamarin Bay: lá estão as salinas naturais de Mauritius e com um pouco de sorte você poderá ver golfinhos por lá.

Reserva Casela: reserva de animais trazidos de outras partes do mundo, inclusive da África do Sul.

Flacq: vilarejo onde há o maior mercado ao ar livre de Mauritius.

Viex Grand Port: foi um dos primeiros vilarejos que surgiu na ilha e lá estão as ruínas holandesas e histórias da época da escravidão.

Citadel – Fort Adelaide: forte construído em 1840 que foi abrigo para armamentos ingleses e soldados que protegiam a entrada da ilha de ataques marítimos franceses. De lá é possível ter uma bela vista da capital da ilha – Port Louis.

Pamplemousses Botanic Garden: o jardim botânico de Mauritius abriga mais de 500 espécies de plantas exóticas provenientes de países diversos.

Fábrica de chá: o chá é a bebida típica da ilha e na fábrica Bois Chéri é possível fazer degustação. Recomenda-se o de baunilha. No mesmo lugar há um restaurante, sendo uma boa opção para o almoço. Outra opção perto dali é o restaurante Saint Aubin, localizado em uma casa colonial do século XIX.

Port Louis: capital do país, ao norte da ilha. A capital é cercada pela cadeia de montanhas Por Louis Moka Range.

Agora a lista dos atrativos que nós conhecemos no nosso tour pelo sul da ilha Mauritius:

Trou aux Cerfs: vulcão adormecido situado na cidade de Cureripe. Possui 350m de diâmetro e sua cratera tem 80m de profundidade. O curioso sobre esse vulcão é que todo seu interior foi tomado por uma floresta com um lago no centro.

Vulcão adormecido trou aux cerfsVulcão Trou aux cerfs 

Maheswarnath: trata-se do maior templo hindu da ilha e está localizado no vilarejo de Triolet Shivala. Um pouco antes de chegar no templo, há uma estátua de Shiva com 33 metros de altura.

Nosso guia Jean, que já foi hindu (hoje convertido ao cristianismo), contou-nos um pouco sobre a religião, seus deuses e crenças.

Maheswarnath e Grand Bassin Lago sagrado Grand Bassin

Rodeando parte do templo hindu está o lago sagrado de Grand Bassin, que é um dos maiores lagos naturais de Mauritius. O lago, formado sobre a cratera de um vulcão inativo, é considerado sagrado pelos hindus (inclusive ali acontece uma grande cerimônia religiosa chamada Maha Shivaratri no mês de março).

Parque Nacional Black River Gorges: fomos até o mirante para apreciar a vista panorâmica para as montanhas, vales e Alexandra Falls.

Parque Nacional Black River GorgesParque Nacional Black River Gorges – Mauritius

7 Coloured Earth – Chamarel: trata-se de um parque privado (valor da entrada: 250,00 rúpias – R$ 25,00) onde está situado um fenômeno natural decorrente de erosões vulcânicas ocorridas em diferentes períodos (entre 3 milhões a 1.7 milhões de anos), que geraram um solo ondulado e de várias tonalidades, resultado da lava vulcânica de épocas diversas.

7 coloured earth chamarel7 Coloured Earth – Chamarel

Cachoeira de Chamarel: Linda queda d´água com 100 metros de altura. Também está dentro do mesmo parque privado que 7 Coloured Earth.cachoeira de chamarel

Fábrica de rum: em Rhumerie Chamarel é possível provar misturas de rum (chamados thé rhuns) com baunilha, abacaxi, coco, limão, caramelo, café… Lá também há uma loja onde é possível comprar as bebidas que foram degustadas. Uma opção interessante para almoço é o L´Alquimiste Canard.

Compras em Mauritus:

Além dos típicos souvenires como: miniatura de navios, imãs de geladeira e ovos decorados, em Mauritius você encontrará duty free de Cachemir e joias fora do aeroporto (os preços são atrativos quando comparado ao Brasil).

Por ser duty free, o pagamento já é feito sem taxas e o produto é retirado diretamente no aeroporto no dia da partida. Nas lojas eles explicam o procedimento e lhe dão a opção de pagar 5% a mais se quiser retirar o produto ali na hora.

Optei por retirar no aeroporto e deu tudo certo. Achei o método seguro e não tive nenhum problema em retirar antes do embarque. Só certifique-se de chegar com antecedência, pois pode ter fila no local de retirada dos produtos.

Considerando que você já faz a compra sem taxas (caso compre em lojas duty free), não haverá taxa de ressarcimento (tax refund) nesse caso (taxa de 15% sobre os produtos comprados em Mauritius).

Vista Hotel Belle MareVista do hotel em Belle Mare

Recortada por montanhas de origens vulcânicas e cercada por recifes de corais, que formam piscinas naturais de água azul e transparente, Mauritius é o lugar perfeito para suas férias, lua de mel, viagem com família, amigos ou até mesmo sozinho.

Atrações e opções não faltam em Mauritius, mas se a “sua praia” for curtir o mar turquesa e relaxar o dia todo tomando bons drinks, então pronto: achou um pedacinho de terra no meio do Oceano Índico para chamar de seu!

Esta é uma fantástica parceria entre o blog Mala de Viagem e o Hotel Urbano. Gostou? Conheça outros roteiros incríveis no Viajante HU

Comentar

Clique aqui para comentar

Reservas de Hospedagem Pacotes de Viagem

HU Compartilha

Você pode se interessar!